Noticias

Noticias

Nossa posição é retornar após 15 dias da segunda dose aplicada em 100% da categoria; aponta coordenador geral da APLB

 

Foto: Divulgação

A APLB-Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia mantém a decisão de não retornar as aulas presenciais na Bahia. O coordenador-geral do Sindicato, Rui Oliveira, afirmou que a categoria “não pretende retornar”, mesmo após a decisão do governo do estado para que a rede pública retome as aulas em formato híbrido, a partir de 26 de julho.

Rui criticou o governo do estado e a secretaria de Educação que ameaçam cortar direitos e benefícios de professores e estudantes, caso desrespeitem a decisão. “Estamos sendo intimidados. Nós não fomos consultados em nada. Esperamos que o bom senso prevaleça. A nossa luta pela vida, segue! Nossa posição é retornar após 15 dias da segunda dose aplicada em 100% da categoria”, rebate o coordenador Rui Oliveira.

Thank you for watching

Uma pesquisa interna realizada pela APLB consultou 13 mil profissionais em todo o território baiano. Destes, 97% decidiram que só retornarão as aulas presenciais após concluírem o calendário vacinal com a aplicação da segunda dose.

“O que é mais razoável? Nós voltarmos com todo o gás, toda a energia, sem confusão, ou acatar a esta decisão unilateral do governador, sem conversar com ninguém, intimidando cortar salários, intimidando suspender os R$ 55 dos alunos, se não voltarem. Não vão voltar porque não é dessa forma”, declarou Oliveira. (APLB-Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia)

Fonte: Voz da Bahia

Tecnologia do Blogger.