Entretenimento

Entretenimento

Preço da carne dobra e deixará churrasco mais caro na Copa do Mundo

preços mais altos se quiser reunir os amigos para fazer churrasco em dias de jogos da seleção na Copa do Qatar.

segunda-feira

/ by Iaçu Noticias

 

Arquivo/Agência Brasil


O torcedor brasileiro terá de driblar os preços mais altos se quiser reunir os amigos para fazer churrasco em dias de jogos da seleção na Copa do Qatar deste ano, que começará no dia 20 de novembro. Desde a edição mais recente do torneio, em 2018, os valores da carne bovina dispararam no país.

Thank you for watching

A pesquisa da cesta básica divulgada pelo Procon-SP, em convênio com o Dieese, dá uma dimensão dos aumentos para o consumidor na capital paulista.

Segundo o levantamento, o preço médio do quilo da carne bovina de primeira era de R$ 22,63 em julho de 2018, quando ocorreu a final da última Copa. Em igual mês de 2022, o valor praticamente dobrou, calculado em R$ 43,89.

A alta no período chegou a 93,9% -ou R$ 21,26 a mais. Os cortes de primeira pesquisados são coxão mole e patinho, conforme o Procon-SP.

A carne de segunda teve trajetória semelhante. No mesmo período, o preço médio do quilo subiu de R$ 17,74 para R$ 34,70, uma alta de 95,6% -ou R$ 16,96 a mais. Nesse caso, os cortes pesquisados são acém e músculo.

Economistas associam a disparada das carnes a uma combinação de ingredientes como procura aquecida no mercado internacional, taxa de câmbio mais alta e custos de produção elevados.

O consultor Fernando Henrique Iglesias, analista da consultoria Safras & Mercado, lembra que o apetite da China por carnes brasileiras teve salto ainda antes da pandemia, devido ao surto da peste suína africana, que afetou a produção de proteína animal no país asiático.

As vendas seguiram aquecidas durante a crise da Covid-19, e o dólar acima de R$ 5 também estimulou os embarques. O resultado foi uma oferta menor direcionada para o mercado interno, o que pressionou os preços, segundo o economista.

“O consumidor ficou saturado com os aumentos. Até por isso os preços da carne pararam de escalar nos últimos meses”, diz Iglesias.

O economista Matheus Peçanha, do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), também cita a demanda externa e o câmbio como fatores que explicam as altas.

Custos maiores para alimentação do gado provocaram pressão adicional sobre as carnes, de acordo com ele. Peçanha destaca a subida de grãos durante a pandemia e os efeitos adversos do clima, que prejudicou pastagens no país.

“Em um período de quatro anos, há o efeito inercial da inflação. E, de 2020 para cá, tivemos um processo inflacionário forte dos alimentos, das carnes especificamente. Isso veio por conta de questões internas, como os problemas climáticos, e também por fatores externos e câmbio”, diz Peçanha.

Os dados da cesta básica divulgada pelo Procon-SP mostram que a carestia não se resumiu à carne bovina desde a Copa de 2018.

O quilo da linguiça fresca em São Paulo, por exemplo, subiu de R$ 12,54 em julho daquele ano para R$ 21,30 em igual mês de 2022. A alta foi de 69,9%.

No mesmo período, o preço médio do quilo do frango resfriado inteiro mais do que dobrou, de R$ 5,76 para R$ 11,86.

Possíveis acompanhamentos para o churrasco em dias de jogos também ficaram mais caros. O pacote de cinco quilos de arroz avançou 62,1%, de R$ 12,10 para R$ 19,62. O quilo do pão francês subiu 41,2%, de R$ 11,28 para R$ 15,93.

A farinha de mandioca, por sua vez, aumentou 32%, de R$ 4,35 para R$ 5,74. O quilo da batata -usada na salada ou maionese de batatas, dependendo do nome adotado em cada região- teve alta de 121,4% (de R$ 2,57 para R$ 5,69).

Em julho de 2018, a cesta básica divulgada pelo Procon-SP custava R$ 695,93. Trata-se de um valor médio de 39 produtos, incluindo alimentos e itens de limpeza e higiene pessoal. Em julho de 2022, a cesta foi calculada em R$ 1.266,92. Ou seja, a alta foi de 82% no período.

Dica a pesquisar

A Copa deste ano será realizada em um período atípico, de novembro a dezembro. Até lá, a perspectiva é de melhores condições de pastagens e trégua em insumos como o óleo diesel, diz Peçanha, do FGV Ibre. Isso, segundo ele, pode gerar alívio para os preços das carnes.

Por outro lado, lembra o economista, incertezas do período eleitoral costumam impactar a taxa de câmbio no país, o que traz risco de novas pressões sobre os produtos.

“É preciso pesquisar bastante. Há, por exemplo, dias com promoções de carne nos supermercados. Outra opção é buscar descontos no atacado”, diz.

Iglesias, da Safras & Mercado, considera que os preços da carne podem ter novos reajustes no segundo semestre em caso de uma demanda mais aquecida com o Auxílio Brasil. A ampliação do benefício foi anunciada pelo governo Jair Bolsonaro (PL) às vésperas das eleições.

Carne bovina e leite são os principais produtos que o público do programa deixou de comprar e pretende voltar a consumir a partir do aumento dos repasses para R$ 600, indicou pesquisa recente da Asserj (Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro).

“Redes varejistas costumam fazer promoções em determinados meses ou semanas. A recomendação é ficar atento a isso, pode ter oportunidades. Comprar agora para consumir depois, fazer estoque, isso é complicado”, afirma Iglesias.

Como mostrou reportagem da Folha de S.Paulo em julho, além das carnes, as bebidas também ficaram mais caras em 2022. Após o fim da Copa de 2018 até junho deste ano, a cerveja para consumo em casa avançou 17,37% no país, de acordo com dados do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) levantados pelo economista Bruno Imaizumi, da LCA Consultores. Refrigerante ou água mineral (23%) e suco de frutas (17,38%) tampouco escaparam da pressão sobre os preços no Brasil.

Comércio já se veste de verde e amarelo para a Copa

Os impactos econômicos da Copa do Mundo costumam ir além dos supermercados, atingindo outros setores do varejo. Lojas da rua 25 de Março, tradicional ponto do comércio popular de São Paulo, já iniciaram as vendas de roupas, acessórios e outros produtos com as cores da seleção.

“É um mercado que começa a aquecer agora”, diz o empresário Pierre Sfeir, 65, que atua na região. O lojista aposta na venda de itens como bandeiras, bonés, buzinas e itens de decoração.

Parte dos insumos subiu quase 50% desde a Copa de 2018, calcula o empresário. Com a pressão dos custos, os repasses para os preços finais são inevitáveis, mas em uma proporção menor, diz. É a estratégia para tentar recompor margens sem perder vendas.

“Subiu muito o preço dos tecidos e plásticos. O dólar também impactou os produtos que são importados.” 

Fonte: Bnews

Nenhum comentário

Postar um comentário

Don't Miss
© OBRIGADO PELA SUA VISITA!! VOLTE SEMPRE!!
Designer: Silvoney Santos