Entretenimento

Entretenimento

Na China, 37 milhões de pessoas estão em lockdown por surto de Covid-19

Dezenas de milhões de pessoas estão vivendo em lockdown na China.

quinta-feira

/ by Iaçu Noticias

 

(Crédito: AFP)

Dezenas de milhões de pessoas estão vivendo em lockdown na China, enquanto o país luta contra o seu pior surto de Covid-19 desde os primeiros dias da pandemia.

Este surto se espalhou muito mais rapidamente do que as ondas anteriores de variantes menos infecciosas, com casos diários a disparar de algumas dezenas, em fevereiro, para mais de 5.100 nesta terça-feira (15) – o número mais alto desde o surto do início de 2020 em Wuhan.

Thank you for watching

O número pode parecer baixo em comparação com outros países, mas é alarmantemente elevado para uma nação que tentou erradicar surtos e cadeias de transmissão com uma política estrita de “zero cobra” em toda a pandemia.

Desde terça-feira, foram comunicados casos em 21 províncias e municípios de todo o país, incluindo a capital nacional Pequim, e outras grandes cidades como Xangai e Shenzhen.

Os casos podem ainda estar na casa dos milhares, mas na terça-feira 37 milhões de pessoas encontravam-se em lockdown. Eis o que sabemos sobre o surto da China.

Como é que esta onda começou?

Os casos começaram a aumentar no início do mês em algumas províncias do país, incluindo Shandong no leste, Guangdong no sul, e Jilin no nordeste.

Em 6 de março, os peritos advertiam que a situação era “grave” em alguns locais – mas expressaram confiança de que “a China ainda tem a capacidade de a controlar”, informou o tabloide estatal Global Times na época.

A província de Jilin, que partilha uma fronteira com a Coreia do Norte, depressa se tornou um importante ponto de acesso com um agrupamento universitário que provocou a indignação pública online, após estudantes em quarentena se queixarem de más condições enquanto se isolavam no campus.

Mais de 4.000 das infecções relatadas na terça-feira foram relatadas em Jilin. Quase metade do total das infecções neste surto vieram daquela província – e os casos ainda não atingiram o pico, advertiram os funcionários na terça-feira.

As autoridades e os meios de comunicação estatais dizem que ainda não está claro como começaram os primeiros surtos.

Mas vários fatores – incluindo casos importados do estrangeiro e a prevalência da variante Ômicron – exacerbaram a gravidade do surto a nível nacional, disse Global Times, citando Wu Zunyou, epidemiologista chefe do Centro Chinês de Controlo e Prevenção de Doenças.

Qual variante está se espalhando?

A Ômicron tem conduzido este surto. Uma das razões pelas quais os casos se espalharam tão rapidamente e são mais difíceis de detectar são os sintomas mais ligeiros da Ômicron e o tempo de incubação mais curto, de acordo com os meios de comunicação estatais.

A variante altamente infecciosa substituiu agora a Delta como a estirpe dominante no país, constituindo cerca de 80% dos casos recentes, disse Wu ao Global Times.

Ele acrescentou que os peritos estão vendo tanto BA.1 – a Ômicron original – como BA.2, uma subvariante que foi detectada pela primeira vez em Janeiro e apelidada de “variante furtiva”, porque à primeira vista nos testes de laboratório pode se parecer com outras variantes da Covid.

BA.2 é cerca de 30% mais transmissível do que BA.1, de acordo com estudos iniciais do Reino Unido e da Dinamarca. Agora causa cerca de 1 em cada 5 casos de Covid-19 em todo o mundo, com casos detectados em dezenas de países, incluindo os EUA, de acordo com a Organização Mundial de Saúde.

BA.2 foi detectada no surto de Jilin, de acordo com a CCTV, um canal de notícias estatal.

Ainda não é claro se causa doenças mais graves, mas alguns estudos sugerem que provavelmente não conduzirá a um maior número de hospitalizações e mortes, em parte porque surgiu tão pouco tempo depois da onda Ômicron original, muitas pessoas têm anticorpos protetores, quer de infecções recentes quer de doses de reforço da vacina.

Quais bloqueios e restrições estão em vigor?

Cinco cidades – que acolhem coletivamente mais de 37 milhões de residentes – estão agora sob diferentes níveis de lockdown.

Os residentes em Changchun, cidade de Jilin, Shenzhen e Dongguan estão proibidos de sair dos seus bairros, exceto os trabalhadores essenciais e de serviços de emergência. Cada agregado familiar só está autorizado a enviar uma pessoa para compras em mercados a cada dois ou três dias.

A quinta cidade, Langfang, deu um passo em frente ao proibir todos os residentes de saírem das suas casas, exceto por razões de emergência.

Várias destas cidades suspenderam os transportes públicos e as refeições no interior, fecharam escolas e estão realizando várias rondas de testes em massa para todos os residentes. A cidade de Jilin deu início à sua nona ronda de testes na terça-feira, com fotografias mostrando os residentes alinhados no exterior, na neve, bem apertados.

A província de Jilin também implementou restrições de viagem, proibindo os residentes de sair da província ou de viajar entre cidades dentro da província.

Mas estes bloqueios representam também um enorme desafio logístico para o governo, com a CCTV informando que a província tem apenas alguns dias de provisões médicas em estoque.

As autoridades estão agora correndo para aumentar a capacidade de cuidados de saúde em áreas duramente atingidas – por exemplo, construindo centros de tratamento temporários em Changchun e na cidade de Jilin, e destacando milhares de soldados para ajudar o trabalho de controle da Covid, de acordo com o Global Times.

Será que a China manterá a “zero-Covid”?

Com as variantes cada vez mais infecciosas – Delta, depois Ômicron – que  se espalharam em 2021, muitos países abandonaram a abordagem estrita de “zero-Covid” em favor de viver com o vírus.

A China e os seus territórios, incluindo Hong Kong, também sofrem uma onda severa, sendo os maiores redutos.

Embora alguns líderes e cientistas chineses tenham insinuado que a China poderia eventualmente afastar-se da estratégia, isso provavelmente não acontecerá em breve, se a atual retórica sobre trazer os casos de volta a zero for alguma indicação.

Han Jun, o governador da província de Jilin, prometeu na segunda-feira acabar com todas as transmissões comunitárias no prazo de uma semana – o que levou ao escárnio dos meios de comunicação social chineses, com muitos chamando de uma promessa vazia. Outros exortaram-no a abordar primeiro questões mais prementes, como a escassez de mantimentos e outros bens essenciais.

A cidade de Xi’an esteve fechada durante mais de um mês, de dezembro a janeiro, com alguns residentes se queixando de não poderem receber alimentos, suprimentos básicos como absorventes menstruais, e mesmo cuidados médicos de emergência –pintando uma imagem de disfunção do governo local e suscitando protestos públicos em todo o país.

“É melhor estar completamente preparado e depois gradualmente (clara transmissão de Covid)”, disse o comentário de Weibo. “Se nos apressarmos, as pessoas vão sofrer”.

Fonte: CNN

Nenhum comentário

Postar um comentário

Don't Miss
© OBRIGADO PELA SUA VISITA!! VOLTE SEMPRE!!
Designer: Silvoney Santos