Entretenimento

Entretenimento

Omicron: por que nova variante detectada na África do Sul pode ser 'pior já existente'

Comunidade científica teme que B.1.1.529 possa ser mais transmissível e driblar sistema imunológico, aumentando número de infecções.

sexta-feira

/ by Iaçu Noticias

Foto: Reuters / BBC News Brasil

 Uma nova variante do coronavírus detectada na África do Sul foi classificada nesta sexta-feira (26/11) pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como "variante de preocupação" e batizada de omicron. A organização informou que evidências preliminares sugerem que essa variante oferece um risco maior de reinfecção de covid-19 do que suas antecessoras.

A classificação "variante de preocupação" é a adotada pela OMS para descrever as variações do coronavírus que oferecem mais risco à saúde pública - e a mesma usada para descrever a delta, gamma, alpha e beta.

Mais cedo nesta sexta-feira (26/11), Sajid Javid, o ministro da Saúde do Reino Unido, a descreveu como uma "grande preocupação internacional".

"Uma das lições desta pandemia foi que devemos agir rapidamente e o mais cedo possível", disse ele.

"Estamos entrando no inverno e nosso programa de reforço ainda está em andamento, então devemos agir com cautela", acrescentou.

Enquanto isso, existe o temor na comunidade científica de que a variante possa ser "a pior já existente".

Mas por quê?

Embora haja poucas informações concretas até o momento, cientistas temem que essa nova versão do coronavírus seja mais mais transmissível e "drible" o sistema imunológico.

Em termos práticos, isso significa não só mais infecções, o que aumenta consequentemente as hospitalizações e mortes, mas a possibilidade de que as vacinas disponíveis hoje possam ser menos eficazes contra ela.

A chave para entender por que a nova variante trouxe tamanha preocupação se deve ao seu alto número de mutações.

Vírus fazem cópias de si mesmos para se reproduzir, mas não são perfeitos nisso. Erros podem acontecer, resultando em uma nova versão ou "variante".

Se isso der ao vírus uma vantagem de sobrevivência, a nova versão prosperará.

Quanto mais chances o coronavírus tem de fazer cópias de si mesmo em nós — o hospedeiro — mais oportunidades existem para que as mutações ocorram.

Por isso, é importante controlar as infecções. As vacinas ajudam a reduzir a transmissão e também protegem contra formas mais graves da covid.

Na África do Sul, apenas 23,5% da população está totalmente vacinada, em comparação com 60% no Brasil, segundo dados da plataforma Our World in Data, da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

O programa de vacinação do país desacelerou nos últimos meses — não por causa da falta de suprimentos, mas devido à indiferença pública.

Especialistas dizem que é possível que a nova variante possa ter se originado em um paciente cujo sistema imunológico não foi capaz de se livrar de uma infecção por covid rapidamente, dando ao vírus mais tempo para se transformar.

A omicron tem 32 mutações na proteína S ("spike" ou espícula), através da qual o vírus se liga em células humanas para efetuar a invasão em nosso organismo.

Essa é a parte do patógeno que a maioria das vacinas usa para "preparar" o sistema imunológico contra a covid.

Mutações na proteína spike podem, portanto, não só afetar a capacidade do vírus de infectar as células e se espalhar, mas também tornam mais difícil para as células do sistema imunológico atacarem o patógeno.

No caso específico do chamado domínio de ligação ao receptor, uma parte da proteína S que é chave para a ligação do vírus às células humanas e sua infecção, foram encontradas dez mutações em comparação com apenas duas na variante delta, que varreu o mundo.

Segundo a Agência de Segurança em Saúde britânica, a proteína spike da nova variante é "dramaticamente diferente" da usada nas vacinas de covid-19 até agora.

No entanto, serão necessárias várias semanas de análise para determinar, de fato, a transmissibilidade da variante e os efeitos disso na eficácia das vacinas, disse o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier.

Nesta sexta-feira (26/11), vários países decidiram restringir a entrada de viajantes do sul da África, como Estados Unidos, Reino Unido, União Europeia, Japão, Singapura, Israel e República Tcheca.

No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recomendou restrições a voos e passageiros vindos de África do Sul e cinco países vizinhos (Botsuana, Essuatíni, Lesoto, Namíbia e Zimbábue) em caráter temporário. Por se tratar apenas de uma recomendação, a decisão final a respeito da restrição cabe a um comitê interministerial do governo federal.

Por enquanto, só foi emitido um alerta para secretarias estaduais e municipais brasileiras sobre o risco da nova variante.

Fonte:Terra

Nenhum comentário

Postar um comentário

Don't Miss
© OBRIGADO PELA SUA VISITA!! VOLTE SEMPRE!!
Designer: Silvoney Santos